Energia solar: caminho para o turismo sustentável

Pousada Cavaleiro dos Pireneus - Pirenópolis (GO)
Pousada Cavaleiro dos Pireneus – Pirenópolis (GO)

Desde a sua criação, em 1992, a Roteiros de Charme sempre teve como um de seus pilares o cuidado com o meio ambiente. Seu Código de Conduta Ambiental, adotado por todos os associados, foi desenvolvido levando em conta a realidade brasileira e as informações sobre resultados de programas de sustentabilidade na área de turismo adotados em diversos países. O objetivo é que os hotéis promovam, incentivem e apoiem ações que estimulem a proteção do ecossistema e contribuam para aumentar o desenvolvimento sustentável da atividade turística.

Duas práticas são muito difundidas entre os hotéis. Uma delas é o uso de coletor solar, que serve para aquecer a água utilizada no banho ou na piscina. Outra é a instalação de placas fotovoltaicas para a geração de energia elétrica. Esta, é uma tendência crescente, que possibilita o retorno do investimento num prazo médio, em torno de cinco a oito anos. Além da redução de custos – o sistema de painéis é independente, portanto não está sujeito à carga tributária ou à variação de tarifas de eletricidade –, o ganho ambiental é significativo, já que diminui o consumo de energia elétrica gerada pelas concessionárias. Conheça alguns hotéis da Roteiros de Charme que adotaram as medidas.

Hotel Rosa dos Ventos – Teresópolis (RJ)

Membro fundador da Associação Roteiros de Charme, o Hotel Rosa dos Ventos, em Teresópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, é pioneiro no uso de energia solar desde sua  inauguração, em 1986. O estabelecimento usa painéis solares de polietileno na aclimatização das piscinas e no aquecimento da água para banho em todos os apartamentos. Utiliza também claraboias e janelas para aumentar a iluminação natural de ambientes, reduzindo a necessidade de luz elétrica durante o dia. Em seu site, o hotel publica uma lista com mais de 60 práticas adotadas. Além disso, para a proteção da Mata Atlântica que circunda a propriedade, o Rosa dos Ventos constituiu uma Área de Reserva Legal certificada pelo Instituto Estadual do Meio Ambiente (INEA).

Parador Lumiar – Nova Friburgo (RJ)

Inserido na APA (Área de Proteção Ambiental) de Macaé de Cima, o Parador Lumiar tem cerca de 440 mil m² de área em plena Mata Atlântica e fica a 850 metros de altitude. A energia solar captada pelas placas fotovoltaicas é responsável por 70% do consumo total do empreendimento. Concebido visando às regras de respeito ao meio ambiente, foi erguido com tijolos ecológicos, madeiras de demolição e panos de vidro para priorizar a luz natural. O uso de sensores de iluminação externa, lâmpadas de led com baixo consumo de energia, luz solar para aquecimento de água e sua distribuição por gravidade também fazem parte do trabalho sustentável desenvolvido por lá.

Pousada do Engenho – São Francisco de Paula (RS)

Graças à atividade de uma usina de energia solar, a Pousada do Engenho em São Francisco de Paula, no Rio Grande do Sul, é praticamente autossuficiente, uma vez que o percentual de demanda do hotel atendido por fonte alternativa é de 90%. Além de gerar energia limpa, renovável e sustentável, a usina é benéfica para o meio ambiente e para a saúde, pois não emite gases poluentes ou outros tipos de resíduos. Até julho de 2021, foram gerados 22.6566,50 kwh, o que representou economia de mais de R$ 19 mil e redução de mais de 225 toneladas de dióxido de carbono. Nas acomodações, e em diversos ambientes da pousada, os tetos solares (skylights) proporcionam luz natural e são ótimos aliados contra a umidade, já que o sol é uma das melhores formas de combater o mofo.

Pousada Cavaleiro dos Pireneus – Pirenópolis (GO)

No segundo semestre de 2020, a Pousada Cavaleiro dos Pireneus instalou placas fotovoltaicas que atendem 100 % da demanda de energia elétrica do local. O estabelecimento utiliza também placas solares para aquecimento de água de banho e da piscina. Situada no alto de um vale, a 2,5km do Centro Histórico de Pirenópolis, em Goiás, fica dentro de uma Área de Proteção Ambiental (APA). Aproximadamente 85% do espaço é destinado à preservação da mata nativa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *